A lei do menor esforço

Alguém me explicou o comportamento de outro alguém da seguinte forma: “Ele segue a lei do menor esforço.”

A pessoa queria dizer que a outra pessoa sempre escolhe o caminho mais fácil no trabalho. E o diagnóstico mostrava que ela tinha razão.

Essa “lei” se torna um estilo de vida. E não é por má fé – é quase biológico. Se não tomarmos cuidado, estamos sempre pensando em como evitar a fadiga.

Por que telefonar, se posso fazer minha parte mandando um e-mail e me livrando do problema?

Por que apontar o problema, vai que depois eu preciso ajudar a resolver?

Essa postura molda a pessoa, e tem consequências. Um exemplo do que eu já vi acontecer: certo dia, este funcionário que sempre seguiu a lei do menor esforço, resolveu empreender. E aí ele não tem mais para quem encaminhar o problema. Tudo é problema dele.

Para ficar na linguagem popular, ele não vai poder “medir esforços”, como fazia no emprego. E aí vem o grande problema: será que ele consegue mudar seu padrão de atuação assim que muda de função? Seria melhor ter praticado antes.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s