E o desocupado moderno?

Eu admiro e busco a automação. Construir sistemas que não dependem da nossa interferência – e do nosso precioso tempo.
Mas em geral a automação tira parte da função de uma pessoa. E aí vem o debate antigo (desde a revolução industrial) que todos conhecemos sobre as máquinas que estão substituindo o homem e tal.

Acrescento outra perspectiva, um milagre que passa despercebido: a multidão de pessoas que ignora qualquer questão existencial ou metafísica e vai trabalhar no horário certo. Todo santo dia: produzir alimentos, limpar as cidades, reformar o que está quebrado e tal.

O trabalho mecânico como forma de enfrentar bravamente a vida – e assim manter o mundo girando. Acho que esse é o dilema: a automação pode acabar com o propósito que o humano constrói no trabalho. Podemos distribuir uma renda mínima para todo mundo, mas será necessário encontrar outro objeto de construção de propósito. Talvez o desocupado moderno se dedique à arte e ao autoconhecimento. Ou talvez ele fique mais tempo no Youtube.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s